Eu estava em São Paulo (capital) com meus pais, era domingo a tarde. Não sei o que estávamos fazendo lá, mas eles resolveram ir à igreja naquele domingo, era horário de verão, pois já eram 18:00 e ainda estava sol. Eu não tinha levado roupa para ir ao culto, achei uma saia ocre na minha bolsa e a vesti. Era a igreja que frequento, mas em Itaquera. Encontrei alguns amigos por lá. Na hora do culto não sentei com meus pais, mas com uma amiga, que tenho 90% de certeza que era a Thaís Moreira (ama estar em meus sonhos), eu estava no meio, do outro lado tinha uma garota baixinha, a pele da mesma cor que a minha e os cabelos castanhos e lisos, essa menina era mais baixa que eu… se é que isso é possível. Essa menina aparentava ter uns 14 ou 15 anos.  E ela começou a me fazer inúmeras perguntas sobre a minha amizade com o Isaque. Ela queria saber como nos conhecemos, sobre o que conversávamos… Ela parecia muito enciumada. Então eu pensei: “Ela tem que se tocar, que mesmo que eu fosse algo dele, ela só tem 15 anos!” Então eu disse: “Se toca garota, que curiosidade, minha vida não te interessa, e além do mais… qual a sua idade?” Então ela virou e disse: “Tenho 20 anos”. Fiquei sem chão. Percebi que ela poderia ter um motivo ou razão por estar enciumada, contudo não deixei aquilo interferir na minha expressão, apenas saí andando, então encontrei a Victoria e perguntei por que ela não estava usando a roupa que eu tinha emprestado pra ela… e ela disse que se sentia mais confortável em uma calça de moletom boca larga bege…
Depois disso eu estava na Nova Zelândia com um grupo de pessoas, todos armados, prontos para destruir zumbis aquáticos. Estávamos numa faixa de areia, esperando os zumbis saírem da água. Atrás dessa faixa de areia tinha uma montanha com neve, então várias pessoas estavam descendo por ali de esqui até a praia, o líder do meu grupo começou a matar todos eles, então eu reconheci minha amiga, Laryssa, pedi pra pararem de atirar, e a resgatei, perguntei pelos seus pais, mas eles não estavam entre os mortos. Então nós duas fugimos, pois não queríamos matar mais pessoas, só queríamos derrotar os zumbis, e aquele grupo  de pessoas estava matando pessoas também. Chegamos em um lugar que parecia uma cozinha industrial, muito grande e tudo de alumínio, entramos num escritório próximo, esse escritório tinha duas portas e percebemos que estávamos sendo espreitadas pelos dois lados, de um lado era um zumbi aquático, usando um escafandro e do outro lado um cara da equipe inimiga, usando uma roupa de paint ball. Olhei por baixo da porta e quando o zumbi aquático se distraiu, corremos e o matamos.

17/09/2013

Créditos da Imagem: Zombie Hell Trooper – by Nivanh Chanthara

Anúncios